Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > SEMA > Notícias > Ameaçados de extinção, tatus-canastra são flagrados por câmera de monitoramento da Sema-MT; veja vídeo
Início do conteúdo da página
SEMA
Publicado: Segunda, 23 de Janeiro de 2023, 14h33 | Última atualização em Segunda, 23 de Janeiro de 2023, 14h33 | Acessos: 122 | Categoria: Notícias
Tatu-canastra é gravado por câmeras de monitoramento da Sema-MT - Foto por: Sema-MT
imagem sem descrição.

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) captou imagens da presença de tatus-canastra durante o projeto de Monitoramento da Fauna Silvestre da Estrada Transpantaneira. Os vídeos foram coletados na última visita da equipe em campo, nesta quinta-feira (19.01), e mostram dois animais adultos juntos, passando em frente a uma das 15 câmeras trap instaladas no Pantanal mato-grossense.

Também conhecido como tatu gigante, o tatu-canastra pode chegar a 1,5 metros de comprimento e 60 quilos. Ele está na lista das espécies ameaçadas de extinção no Brasil. 

De acordo com o analista de meio ambiente da Coordenadoria de Fauna e Recursos Pesqueiros da Sema, Marcos Roberto Ferramosca Cardoso, o que chamou a atenção foi identificar dois tatus-canastra juntos, transitando durante o dia, já que o animal tem hábitos noturnos. A presença deste animal na região é importante porque mostra não apenas a incidência da espécie, mas aponta que o bioma oferece condições de sobrevivência para os animais. 

"Neste momento estamos avistando vários tatus-canastra, que apareceram em seis câmeras instaladas em locais diferentes. O tatu-canastra é uma espécie bastante sensível a atividades antrópicas, e a presença é sinal de que o ambiente está bem preservado", conta.

Ele destaca que é provável que a aparição diurna dos animais se dê por conta da cheia. Eles vão para as partes mais altas do Pantanal que não estão alagadas, nos aterros, capões e cordilheiras. Escava e se abriga em tocas profundas no solo. É um animal presente principalmente no Cerrado, mas pode ser encontrado em outros biomas como, neste caso, o Pantanal mato-grossense.

 

Monitoramento da Fauna Silvestre

Prestes a completar um ano de execução do projeto, já é possível avaliar quais as espécies de animais frequentam aquelas regiões em estão instaladas as câmeras, em todos os ciclos das águas. De iniciativa da Coordenadoria da Fauna e Recursos Pesqueiros, o monitoramento coleta informações voltadas às estratégias de conservação do ambiente, das espécies, e ações de proteção e atendimento emergencial aos animais silvestres.

Além de monitorar a saúde dos animais avistados pelas câmeras instaladas, é possível registrar os hábitos das espécies do Pantanal, emitir documentos técnicos e verificar a presença e a incidência de espécies ameaçadas de extinção. Outros registros mostram animais que também estão ameaçados de extinção ou em vulnerabilidade, de acordo com a classificação brasileira. Entre eles, o tamanduá-bandeira, gato-mourisco, jaguatirica, onça-pintada, Cervo-do-pantanal, Anta, macaco-prego, entre outros.

 

Transpantaneira

A Estrada Parque Transpantaneira é uma Unidade de Conservação que atravessa o Pantanal até a região de Porto Jofre (a 241 km de Cuiabá). A Unidade é de uso sustentável e tem cerca de 8,6 mil hectares. Neste corredor biodiversidade são avistados com facilidade animais típicos da fauna silvestre local como tuiuiús, jacarés, cervos-do-pantanal, entre outros.

Veja o vídeo aqui

 

Texto | Lorena  Bruschi

Registrado em: ,,
Fim do conteúdo da página

Coordenadoria de Atendimento ao Cidadão - CATE

0800 647 0111

Disque-Denúncia

0800 065 3838