Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > SEMA > Notícias > Parque estadual é berçário de mais de 350 mil filhotes de tartarugas-da-amazônia em 2022
Início do conteúdo da página
SEMA
Publicado: Segunda, 23 de Janeiro de 2023, 14h39 | Última atualização em Segunda, 23 de Janeiro de 2023, 14h39 | Acessos: 101 | Categoria: Notícias
Tartarugas-da-amazônia na areia do Parque Estadual Refúgio de Vida Silvestre Quelônios do Araguaia
imagem sem descrição.
Nas belas praias de água doce do Rio das Mortes, localizadas na região Leste de Mato Grosso, as tartarugas-da-amazônia encontram segurança para dar continuidade ao ciclo da vida. Mais de 350 mil filhotes nasceram no Parque Estadual Refúgio de Vida Silvestre Quelônios do Araguaia, gerido pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT).

O gerente do parque estadual, Felisberto Alves, explica que os filhotes saem dos ovos entre os meses de novembro e dezembro. O local é resguardado para a reprodução da espécie, e é chamado de reviradouro -  praia em que centenas de tartarugas desovam em segurança -. As tartarugas escolhem o local de acordo com a limpeza da areia e tranquilidade da praia.

Com cerca de 65 dias após a postura dos ovos, o gerente começa a prestar auxílio no nascimento das tartarugas que estão em “berçários” ao longo das praias. Os filhotes que estão no reviradouro costumam nascer após 77 dias de postura, sem intervenção humana.

O trabalho de fiscalização é realizado durante todo o ano para impedir a caça e pesca predatória na Unidade de Conservação Estadual. De setembro a dezembro, é intensificado o monitoramento.
 
Além de servir como refúgio para esta e outras espécies, a região é marcada por uma beleza exuberante. Devido às inundações periódicas, a vegetação ao longo do rio é típica de áreas alagadas. Já no período da seca, grandes faixas de areia formam praias de beleza cênica única.


Preservação dos quelônios

Desde a criação do Refúgio, a luta pela preservação da espécie é constante. O gerente atua há mais de três décadas neste trabalho, e atualmente dá continuidade ao legado de Gaspar Rocha (em memória), ex-funcionário do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais, e grande responsável pelo êxito do Programa Quelônios da Amazônia (PQA).
 
 
Equipe da Sema-MT monitorando o Parque Estadual Refúgio de Vida Silvestre Quelônios do Araguaia
Créditos: Sema-MT


O PQA é um programa governamental que promove, por meio de pesquisa e do manejo, a conservação dos quelônios de água doce na Amazônia Legal e na bacia do rio Araguaia. O Governo de Mato Grosso e o Ibama são parceiros neste projeto de preservação do maior quelônio de água doce da América do Sul, que pode chegar a 50 kg na fase adulta. Estima-se que o projeto já tenha auxiliado no nascimento de mais de 8 milhões de tartarugas ao longo de sua existência.

A parceria bem sucedida tornou a espécie, antes ameaçada de extinção, considerada apenas vulnerável. Ao navegar pelos lagos da região é visível o povoamento de quelônios no Araguaia.
 
As tartarugas de água doce são importantes na cadeia alimentar e manutenção de diversas espécies da fauna da região, como outras tartarugas, peixes, entre eles, o pirarucu, um dos maiores peixes de água doce no Brasil.
 
 
Parque Estadual Refúgio de Vida Silvestre Quelônios do Araguaia
Créditos: Sema-MT
 

Participação social
 
Conforme o gerente do Parque, a preservação da espécie beneficia diretamente a população do entorno. O excedente de peixes que nascem no Refúgio coloniza áreas fora da reserva, servindo de alimento para a subsistência dos ribeirinhos e tribos indígenas.
 
Diante da necessidade de envolvimento da comunidade com as Unidades de Conservação, como principais usuários dos recursos naturais, a Sema-MT faz a mobilização de moradores da região e capacitação para que possam participar dos processos de gestão das espécies e seus habitats.
 
Em novembro de 2022, a Sema-MT deu posse a mais de 40 moradores, que agora são membros do Conselho Consultivo dos Refúgios de Vida Silvestre Quelônios do Araguaia e Corixão da Mata Azul, duas Unidades de Conservação localizadas na região Leste de Mato Grosso.
 
O Conselho é composto por representantes da administração pública e sociedade civil. As reuniões são abertas à população local, e servem para ampliar a participação social no processo de decisão do uso local e dar transparência às ações que estão sendo realizadas nos Refúgios.
 
A Coordenadora de Unidades de Conservação, Sanny Saggin, destaca que a posse dos novos conselheiros significa a continuidade do trabalho de trazer a comunidade para perto das Unidades de Conservação, para discutir temas que impactam diretamente na vida dos moradores.


Sobre o Refúgio

A Unidade de Conservação está situada em uma área de 60 mil hectares de Cerrado Proteção Integral, localizada nos municípios de Ribeirão Cascalheira, Cocalinho e Novo Santo Antônio.
Foi criada a partir da Lei n.º 7520/01, em 28 de setembro de 2001, para assegurar a existência e reprodução de tartarugas, de animais e plantas de diversas espécies, contribuindo para a preservação da diversidade biológica.
 
Nas proximidades da unidade, também estão localizados o Refúgio de Vida Silvestre Corixão da Mata Azul, o Parque Estadual do Araguaia, e a Área de Proteção Ambiental (APA) Federal Meandros do Rio Araguaia, além da terra indígena Pimentel Barbosa do povo Xavante. Essas Unidades de Conservação formam um ‘mosaico de áreas protegidas’ que garantem a preservação de inúmeras espécies.
 
Texto | Amanda Cardoso
Registrado em: ,,
Fim do conteúdo da página

Coordenadoria de Atendimento ao Cidadão - CATE

0800 647 0111

Disque-Denúncia

0800 065 3838